terça-feira, setembro 14, 2010

E.MOTION estreou novo show em Niterói

:: Cobertura ::


E.MOTION estreou novo show em Niterói

A cena eletrônica de Niterói ganha novo fôlego na BOX35


O segundo ano da festa Private Fusion, do último dia 10 em Niterói foi cheio de surpresas. O grupo E.MOTION, composto pelos Djs e produtores Felippe Molko e Juan Hayamares e a cantora Dannii se apresentou na Pista Club da BOX35.




O show de estreia do single “No Reason To Love You”, da nova integrante Ella Dree (foto abaixo) foi um dos pontos altos da apresentação. A música foi muito bem recebida pelo público e agitou a festa.

Ella Dree estreia no E.motion (Figurino: Audie Agnes)


A performance do E.MOTION uniu o som dos Djs, com a energia “ao vivo” e impressionou os presentes com uma entrada apoteótica, graças ao figurino tropical, marítimo e bem carioca do estilista Audie Agnes (foto abaixo), incorporado na cantora Ella Dree e nos DJs.



O grupo contagiou o público com versões de hits da música Pop contemporânea. Com Juan Hayamares, Felippe Molko, Dannii e Ella Dree (foto acima), o grupo E.MOTION está no TOP 50 no site H.G.M. concorrendo com a música “Closer To Pleasure”.

Produtor e músico, Juan tem mais de 15 remixes e produções lançadas nacionalmente e internacionalmente – Summer Night (Overtronics), Circus (Britney Spears), Tik Tok (Ke$ha), entre outros – que ainda são executados em grandes eventos. Juan já se apresentou na Bubu Lounge (SP), Hard Rock Café (BH), The Week (RJ) e Cine Ideal (RJ). Além da estreia da cantora Ella Dree, outra surpresa do E,MOTION durante a festa Private Fusion foi o lançamento do novo set de Juan Hayamares – THE RUSH.

Baixe o set THE RUSH de Juan Hayamares!!

Felippe Molko e Juan Hayamares (Figurino: Audie Agnes)

Já o Dj Felippe Molko lançou seu set de Agosto inspirado na temática dos GAMES de 8 bits que eram muito famosos nos anos oitenta: “Playing With An 8 Bit Heart” tem a intro “Boy Robot”, do cd intitulado “8 Bit Heart” do cantor americano Simon Curtis, de onde surgiu a idéia do nome para o set. Há também hits: “Falling For You” da Wanessa, “Breath Again” da Lorena Simpson e “Desnudate” da Christina Aguilera. “Playing With An 8 Bit Heart” já atingiu o limite de Downloads no Sound Cloud, e agora está disponível no 4shared.

Baixe o set Playing With An 8 Bit Heart de Felippe Molko!!


O E.MOTION fechou a apresentação na Pista Club (foto acima) com a performance dos DJs intercalando músicas próprias e produções inusitadas dos sucessos do Pop, elevadas no House Tribal. Na pista Underground a festa foi até de manhã! E esse foi o saldo da apresentação do E.MOTION na BOX35.

Por Monique Barcellos (Jornalista)

Confira o video não-oficial com a estreia de Ella Dree e o single “No Reason to Love You":





Conheça o site oficial do E.MOTION e confira a agenda e contatos!


::::::::::::::::::::::::

segunda-feira, setembro 06, 2010

Rodas de Rima Semanais são o novo circuito do Rap Carioca

:: Artigo ::


Rodas de Rima

  • Escrito pelo MC Nissin de Niterói em seu BLOG.

    Creio nas Rodas de Rimas como um fenômeno cultural que encontrou um terreno absurdamente fértil, pois o ponto de encontro que 'supria' o cenário de rimas de improviso era a Lapa com as batalhas de rimas, mas pelo fato de não estar acontecendo nenhum evento contínuo desse gênero, juntamente com o crescimento e extrema força de expressão dessa arte, surgem as Rodas de Rimas.

A ideia das Rodas de Rima

Saiu de Ricardinho Ratto, do AudioAtivo(www.myspace.com/somnosite), grupo de Hip Hop de Niterói, começamos a fazer numa praça em São Francisco, Niterói. Pouco tempo depois já foi se espalhando pra Lapa, Flamengo, Copacabana, Bangu, dentre outras localidades. É muito importante incentivar e levar pra outros lugares, tomando os espaços públicos, dando vida à cultura e metamorfosiando os movimentos, mostrando pra toda sociedade que estamos organizados e armados de conhecimento.
Outro fato que serve de estopim é a facilidade de comunicação com as novas mídias, como Facebooks, Orkuts, Blogs, Sites, mas nada supera a divulgação de um evento acontecendo continuamente semanalmente, ele se auto-divulga. É muito importante o sucesso dessas ações, pois são iniciativas independentes, sem apoio institucional que produzem cultura de forma gratuita e maciça. A maior forma de produção cultural é a EDUCAÇÃO e dessa forma aproximamos público de atração, deixando clara a visão de que são UMA COISA SÓ. Sem contar que desengessa todo um sistema cultural, totalmente viciado e não produtivo, que pensa no capital como retorno e dispensa os retornos sociais e educativos que sua iniciativa pode significar. Investindo na educação e criando formas de remunerar de forma digna e justa os produtores da iniciativa, acredito ser um excelente caminho para o que chamamos de revolução.

Em breve estudos culturais/cinematográficos a respeito.. Aguardem..

Um vídeo de uma Roda de Rima que rolou na Praça da Cantareira em Niterói:




:: Contato ::

MYSPACE - MC Nissin
Blog MC Nissin
Cel: (21) 8642-2580
E-mail: nissinmc@gmail.com
Orkut - MC Nissin
Facebook - MC Nissin
Twitter - MC Nissin
Youtube - Conjunti

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


.: CIRCUITO CARIOCA DE RITMO E POESIA :.

Rodas de Rima Semanais (RJ)!
Confira o Banner com a Agenda
aqui na sessão de Canais

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

quarta-feira, setembro 01, 2010

JB extingue o impresso e adota versão 100% digital

:: Jornalismo ::

Último dia da versão impressa do JB é marcado por protesto


Fonte: Comunique-se


A tarde de ontem, terça-feira (31/08), foi marcada por protesto contra o fim da edição impressa do Jornal do Brasil. O movimento reuniu cerca de 200 jornalistas, incluindo ex-funcionários do jornal. O veículo adotou a versão 100% digital do jornal, que será lançado nesta quarta-feira.


Com um passivo de R$ 800 milhões, em dívidas trabalhistas e fiscais, a direção do veículo optou por manter apenas a edição online. A empresa de Nelson Tanure, dona do Jornal do Brasil, alega que o modelo de negócio do papel era insustentável econômica e ecologicamente.

Nos anos 60, o jornal alcançou a marca de 230 mil exemplares vendidos aos domingos, já nos últimos meses, a média era de 30 mil exemplares.

Muitos jornalistas que não concordaram com as mudanças se demitiram do veículo. De acordo com o diretor do JB, Humberto Tanure, houve poucas demissões pela empresa e o número de profissionais na Redação, entre jornalistas, fotógrafos e diagramadores chega a perto de 100 pessoas. No entanto, repórteres que preferiram não se identificar, dizem que esse número é bem menor, cerca de 60 funcionários.

Com informações do Estadao.com


Com fim do JB impresso, Rio fica com apenas dois grandes jornais


De acordo com a página Último Segundo do site iG, com o fim da edição impressa do Jornal do Brasil, o Rio de Janeiro segue a tendência de grandes cidades americanas de reduzirem o número de diários. Desde 2008, 166 jornais fecharam as portas nos Estados Unidos, de acordo com números do Paper Cut, um blog americano que acompanha o mercado editorial do país.

A situação nos Estados Unidos é grave. O que se discute é se grandes cidades americanas continuarão tendo um jornal impresso de grande circulação. Em São Francisco, o San Francisco Chronicle, fundado em 1865, quase parou de circular em 2009 por causa de um grande endividamento, o que deixaria uma das cidades mais importantes do país sem um grande jornal.

O JB já foi um ícone para o Rio de Janeiro. No fim dos anos 1980, vendia mais de 180 mil por dia de semana e 250 mil aos domingos. O iG antecipou em 30 de junho a informação sobre a suspensão da versão impressa.

Em seu período áureo, conviveu com outros grandes competidores. Nos anos 1950, antes da cidade perder o status de capital federal, circulavam 18 jornais - 13 matutinos e cinco vespertinos, que juntos somavam uma tiragem diária de 1,2 milhão de exemplares. Isso significava 0,4 exemplar para cada habitante - o Rio tinha cerca de 3 milhões de habitantes.

Os únicos sobreviventes da lista dos impressos são O Globo e O Dia, este último que teve seu controle transferido para o grupo português Ongoing em abril deste ano. Há outros títulos na cidade, embora populares e/ou gratuitos. Hoje, todos esses jornais vendem cerca de 500 mil exemplares por dia - uma relação de 0,08 exemplar por habitante.

As vendas de jornais no Brasil crescem abaixo da evolução do Produto Interno Bruto (PIB). No primeiro semestre de 2010, a circulação diária de jornais cresceu 2%, segundo o Instituto Verificador de Circulação (IVC). Entre janeiro e junho deste ano foram vendidos 4,25 milhões de exemplares por dia, graças a ascensão dos jornais populares e gratuitos. Em 2009, a circulação de jornais teve queda de 3,5%. Entre os 20 maiores, a queda foi de 6,9%.



Um possível salto para o Jornalismo no Brasil


Se por um lado a extinção da versão online do JB é triste para os funcionários e jornalistas das redações no meio impresso, esta mudança pode significar um novo olhar sobre jornalismo a serviço de novas tecnologias e vice-versa. Diretor Geral do JB entre 2007 e 2008, Marcos Troyjo deu uma palestra com sua visão sobre novas plataformas de mídia em julho de 2009.

De acordo com Troyjo, a versão 100% online do JB é nada menos do que uma nova forma de compreender o Jornalismo, através das novas mídias. Para ele, o novo formato que pode ser visto através de Ipad é fantástico.

Doutor em sociologia e ciências políticas pela USP e professor-visitante da Columbia University (EUA), Marcos Troyjo discutiu sobre a integração do homem à era digital. Temáticas em torno da utilização novas mídias, adaptação do conteúdo e o destino dos livros e jornais impressos foram alguns pontos apresentados e debatidos neste encontro na Casa Jornal do Brasil em 2009. Confira no video a seguir:

::::::::::::::